Votação da PEC dos Benefícios foi adiada para pedido de vista

Imagem de cédula de 100 reais na frente de nota de 50

Navegue pelo conteúdo

Nesta quarta-feira (06/07) na Câmara Dos Deputados foi adiada a votação da PEC dos Benefícios. Dado que a comissão especial solicitou o adiamento na madrugada de terça para quarta. O motivo do adiamento foi por conta de um pedido de vistas, a reunião aconteceu durante a noite e rolou críticas por parte da oposição.

O relator manteve o texto aprovado no Senado Federal que prevê o custo de R$ 41,25 bilhões fora do teto de gastos. Conforme informamos aqui no blog, o deputado federal Danilo Forte (União Brasil – CE) pretendia negociar a inclusão de mais um benefício. Neste caso seria para atender os motoristas de aplicativo.

No entanto, o governo interferiu neste caso, para impedir a entrada de mais auxílios e de fazer mais mudanças na PEC. Principalmente, por conta do ministro da Economia Paulo Guedes, que já definiu que o limite de gastos seria de R$ 50 bilhões. Visto que a inclusão deste benefício gera ainda mais gastos.

Ao que tudo indica a proposta volta ainda essa semana para votação na Câmara dos Deputados. Principalmente, pela urgência do governo para a sua aprovação, aliás foi durante a reunião desta terça-feira (5) que houve discussões na comissão. Inclusive a PEC está recebendo muitas críticas de vários setores.

PEC eleitoral é kamikaze

Especialistas em economia, criticam por conta do rombo que a PEC dos Benefícios gera nas contas públicas. Mesmo diante das necessidades da população que passa dificuldades, as críticas por conta do pacote de benefícios não param. Os oposicionistas chamam a PEC de eleitoreira e parte dos especialistas em economia e gastos públicos concordam e chamam Kamikaze.

Entretanto, a oposição vota a favor da PEC. Por conta das dificuldades sociais que as pessoas mais pobres estão vivendo. Os especialistas econômicos alertam sobre os gastos e ressaltam as consequências da PEC Kamikaze na economia brasileira em 2023.

Ambos os argumentos têm as suas razões

Visto que com a crise gerada pela Pandemia do coronavírus gerou vários problemas. Segundo a FioCruz, ela causou impactos sociais, econômicos, políticos, culturais, e históricos. Sem contar a saúde das pessoas que tiveram que viver em confinamento. Muitas famílias estão passando dificuldades, é o que revelou a Rede Brasileira de Pesquisa em Soberania e Segurança Alimentar e Nutricional.

Ela divulgou que 33,1 milhões de pessoas não têm o que comer. Além disso, 14 milhões vivem em insegurança alimentar grave. Em um país onde pessoas estão passando fome, fica difícil recusar ajuda. No entanto, é um auxílio tardio que poderia ter sido mantido, quando foi criado o Auxílio Emergencial de R$ 600.

Aliás, foi por conta disso que o governo decidiu aumentar o Auxílio Brasil. Visto que foi neste período de pagamento do Emergencial durante a pandemia, que o presidente estava bem nas pesquisas eleitorais. Entretanto, não podemos fechar os olhos para os problemas que essa medida gerará nas finanças brasileiras.

Por fim, não é apenas o teto de gastos o nosso único problema, tem vários outros que serão impactados com a PEC Kamikaze. Deste modo, para ficar por dentro do que está ocorrendo no governo que pode impactar a economia. Basta continuar acompanhando.

Continue acompanhando o Se Torne Investidor para mais notícias sobre economia!

Fontes: UOL, Câmara dos Deputados, Fio Cruz.

Compartilhe:

Facebook
Twitter
Pinterest
LinkedIn

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Mais Populares

Assine nossa newsletter

Deixar o seu e-mail aqui te deixa um pouco mais perto da independência financeira. Bora enriquecer?

Simuladores Financeiros

Fique de olho
Você vai gostar

Utilizamos Cookies para melhorar sua experiência em nosso site. Ao continuar navegando você concorda com nossa Política de Privacidade.