Planejamento Financeiro: como fazer e organizar as finanças

Planejamento Financeiro: como fazer e organizar as finanças

Navegue pelo conteúdo

O planejamento financeiro é uma maneira de controlar as nossas finanças e evitar prejuízos e erros no futuro. Realizando isso será possível planejar os nossos objetivos, pois controlar os gastos é essencial para ter uma vida pessoal e empresarial próspera. Contudo, os brasileiros têm muita dificuldade para organizar as finanças, por isso veja como fazer e organizar as finanças.

A dificuldade para lidar com dinheiro é comum e muita gente não sabe regular e acaba se tornando um endividado. E as consequências disso em nossa vida será imediata, visto que terá que adiar vários sonhos e projetos para quitar a dívida, ou seja, a dívida é sinônimo de atraso.

Portanto, aprender como fazer um planejamento financeiro se torna algo muito importante. Deste modo, preparamos um post em forma de guia para fazer o planejamento financeiro.

O que é planejamento financeiro?

A princípio, o ele nada mais é do que organização das finanças pessoais, uma ferramenta necessária para alcançar nossas metas e sendo uma proteção para o futuro. Um dos pilares é a disciplina e o autocontrole, já que será preciso ter cuidado e foco em prol dos seus objetivos de curto, médio e longo prazo.

O sucesso financeiro gira em torno destes pilares que vão determinar a boa gestão das finanças. Uma vez que uma estratégia não deve jamais ser seguida apenas por uma semana, sendo que ainda falta o restante do mês. Sem contar que algo para se tornar concreto levam-se meses e anos.

Nesse sentido, o planejamento financeiro a longo prazo deve dicar de olho na aposentadoria isso é de extrema importância. Quando jovens não imaginamos que envelhecemos e para garantir tranquilidade neste momento da vida é de suma importância? Todavia, para realizar essa organização será necessário fazer uma avaliação, anotar todos os rendimentos, fontes de renda, previsão de renda nos próximos meses.

Em seguida será o momento de traçar os próximos passos fazendo um planejamento com os principais objetivos de curto, médio e longo prazo. Agora, você terá o controle de gastos, eliminará as despesas desnecessárias e conseguirá manter uma reserva de emergência.

Como fazer o planejamento financeiro?

Em primeiro lugar é conhecer as suas finanças atuais, pois assim será possível diagnosticar e analisar a sua situação atual. Comece o seu planejamento anotando todos os seus gastos em uma planilha, caderno ou bloco de anotações. Com estes dados será o ponto de partida para começar a traçar as suas metas.

Anote todos os gastos mensais, incluindo aquele docinho depois do almoço e café no final da tarde. Suas despesas fixas e variáveis, as dívidas acumuladas e investimentos. Além disso, não esqueça do quanto você recebe mensalmente, incluindo o trabalho fixo e horas extras. Logo em seguida execute uma adequação e calcule o custo de vida e a sua renda.

Como adequar custo de vida com a minha renda?

Quando já temos todos os nossos gastos e rendimentos anotados, podemos saber quanto gastamos por mês. Logo, precisamos descobrir a quantia necessária para viver de forma confortável, isso se chama de custo de vida. Ele é um cálculo que permite alcançar o equilíbrio financeiro.

Pegue as suas anotações e coloque no papel os gastos mensais em cada um destes gastos básicos:

  • Moradia;
  • Alimentação;
  • Educação;
  • Transporte;
  • Saúde;
  • Lazer;
  • Outras necessidades.

Por exemplo, somando tudo ficou R$2 mil, este é o seu custo de vida mensal. No seu planejamento você deve adequar as despesas a sua renda. Contudo, para efetuar o cálculo do custo de vida você precisa entender e separar as despesas fixas e variáveis.

Despesas Fixas e variáveis

As despesas fixas são aquelas contas e valores que você precisa pagar mensalmente, onde o valor não varia. Neste caso, internet, academia, parcelas, mensalidade de escola e celular. Na outra ponta está as despesas variáveis, aquelas que os gatos estão sempre presentes, mas que podem mudar o valor de acordo com consumo.

Entra nesta lista contas de água, energia, supermercado, transporte e outras despesas. Somando estas duas despesas temos uma noção de todos os seus débitos e o impacto no seu bolso. Neste sentido, se os seus gastos estão muito acima da sua renda, é o momento de entrar no modo, emergência.

Dado que será difícil poupar dessa maneira. Desta forma será necessário cortar gastos. E adequar o seu custo de vida com a sua renda, para isso use a regra gastos essenciais, supérfluos e para futuro. Neste caso, 60% do seu salário será para despesas, incluindo custos variáveis e fixos.

Gastos supérfluos podem ser para o seu lazer, deixando para ele 15%, isso inclui o cinema do final de semana, uma roupa e itens que deseja adquirir. Por fim, reserve o dinheiro do futuro destinando 15% em investimentos e 10% nos seus projetos de médio prazo. Esse será o dinheiro que conseguirá economizar. Deixe de preferência em um lugar seguro, nada de dinheiro no colchão. Existem instituições confiáveis que não cobram taxas e fazem ele render.

Quer entender melhor cada ponto, assista a aula abaixo:

Continue acompanhando o Se Torne Investidor para mais dicas sobre economia!

Compartilhe:

Facebook
Twitter
Pinterest
LinkedIn

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Mais Populares

Assine nossa newsletter

Deixar o seu e-mail aqui te deixa um pouco mais perto da independência financeira. Bora enriquecer?

Simuladores Financeiros

Fique de olho
Você vai gostar

Utilizamos Cookies para melhorar sua experiência em nosso site. Ao continuar navegando você concorda com nossa Política de Privacidade.